São Leopoldo - Rio Grande do Sul - Brasil

Home > seu cão > educação > castigo

Castigos

Este pobre coitado mostra medo. Será que ele foi castigado ou se vingaram dele? Um cão que apanha perde a naturalidade e a sua felicidade. Quem não sabe nada melhor do que bater, é um vingador, não um educador.


Uma grande diferença! Vingança Castigo
Origem Ódio, raiva Amor, tristeza
Motivo quero que ele sofra por isso que ele fez quero evitar que a coisa se repita
Visa ao passado futuro
Frase Você me fez isso! Nunca mais!
Ação Bater, gritar, amarrar, torturar, usar coleira de espinhos Falar sério, sacudir na nuca, olhar firme nos olhos, puxar rápido na guia e ELOGIAR quando deu certo
Momento Até dias depois Na mesma hora
Resultado Animal (filho?) tímido, medroso, se escondendo, continua errando Animal (filho?) alegre, auto-confiante, se comporta corretamente

Muitas vezes observei que proprietários batiam seus cães por eles terem rasgado uma roupa muito tempo antes ou coisa parecida. Se queremos que quem cometeu uma falta seja castigado, bem no fundo da nossa alma se encontra o desejo da vingança. Cães não se vingam, nunca!

Vários "adestradores" perceberam que gritar, bater ou chutar um cão pode tornar o aprendizado mais rápido, mas o cão intimidado, com o rabo entre as pernas não vale mais nada na defesa do responsável, nem pensar num relacionamento agradável. Outros adestradores optam por meios alternativos de educação.

Hoje ouvimos muito falar de "Adestramento sem castigo". Finalmente! Maravilhoso! - Funciona? O quê significa "sem castigo"? Nós, por exemplo, trabalhamos principalmente com elogios e em casos de ações indesejadas, com "acidentes". (Veja em "Problemas" e "Tirar Roupas do varral"

Se for realmente necessário, podemos castigar o cão com palavras e ações, mas jamais com raiva, ódio ou querendo nos vingar. Uma forma de castigo é não olhar para o cão.

Os lobos se olham sempre para se comunicar. Não olhar para o nosso "lobo" já é um castigo. Um cão que vive conosco percebe também quando o repreendemos. Outras ações são mais complicadas e raramente necessárias!

No caso de uma ação indesejada, nós podemos repreendê-lo, falar sério ou mandá-lo para fora da casa. No caso de um filhote, podemos pegá-lo na nuca e sacudir um pouco, mas tudo isso somente faz efeito se executado no momento do crime. Mais tarde, o cão liga a tortura à uma outra ação, por exemplo, à vinda do responsável.

Vamos observar os pais lobos? Papai lobo educa seus filhos de maneira bem simples: Ele traz um osso ou um pedaço de pau para perto de seus filhos. Claro, os filhotes curiosos querem explorar este objeto novo. Papai lobo começa a rosnar. O filhote que mesmo assim chega perto nunca vai esquecer isto! Papai lobo pega este mal educado na nuca e o sacode um pouco. Lobos não se batem. Bater significa para um cão uma ação de ódio, crueldade. Além de estragar sua autoconfiança e diminuir a vontade de nos defender é um ato feio. Um cão saudável se assusta quando o responsável fala mais sério com ele ou o repreende.

Às vezes, e em casos muito graves, podemos castigar o nosso cão adulto de uma maneira canina, por exemplo: o nosso querido ataca uma pessoa ou um animal sem ser agredido antes. Nós pegamos o malvado com as duas mãos no pêlo do pescoço e olhamos nos olhos dele. Falamos umas verdades e soltamos o neto do lobo sem olhar em seus olhos (isso agrava o castigo muito para ele!).Um cão com etiqueta vai ficar assustado e talvez ele se esconda de vergonha. Meia hora depois podemos chamar o criminoso e fazer as pazes. Este método somente funciona se for usado raramente e como "freio de emergência".

Para castigar um cão, jamais o chamamos! Se queremos castigar o criminoso, vamos até ele para repreendê-lo ou sacudí-lo, para evitar que ele não obedeça mais o comando "aqui".