São Leopoldo - Rio Grande do Sul - Brasil

Home > seu cão > educação > cuidados > filhotes

Filhotes

Filhotes são uma graça, irresistíveis, um amor, queridos, fofinhos e muito mais ainda! Quem pode resistir a uma cabecinha redonda e aos olhos grandes! Muitos querem ter pelo menos uma ninhada da cadela deles, até para ensinar os filhos como nasce vida nova.

A castração evita ninhadas indesejadas

Mas antes de cruzar com a nossa cadela devemos nos responder honestamente estas perguntas:

1. Temos espaço e dinheiro para manter a ninhada dez a treze semanas em nossa casa? Vender ou doar os filhotes antes é cruel e pode causar danos psicológicos nos animais, mesmo se eles não mamam mais!
2. Quem vai ficar com os bichinhos depois? As novas famílias são boas, ou deixam os animalzinhos sozinhos fora da casa, na corrente, num canilzinho!
3. Cada animal criado toma numa famíla o lugar que um outro sem lar poderia ocupar. Se criamos, significa que outros vão ficar na rua.
4. Queremos aumentar o número dos cães, sabendo, que milhares morren diariamente por não ter uma família?
5. Nossa cadela é de raça, de um temperamento bom, campeão nas exposições específicas da raça? O macho apresenta as qualidades iguais?
6. Somos criadores responsáveis ou queremos ganhar um dinheirinho fácil, para terminar a construção da nossa casa?
7. Muitas pessoas acreditam na crença de que é importante para uma cadela ganhar uma vez na vida filhotes. Não é verdade! Queremos criar mesmo assim?

Veja como criar certo

Criar cães saudáveis e com o temperamento certo custa caro, mas vale o esforço.

O acasalamento com um macho bom custa pelo menos tanto quanto um filhote. A cadela necessita, durante o tempo de gestação, de muitos cuidados e ração especial, além de visitas ao veterinário. Os filhotes precisam de uma ração boa, vacinas, remédios contra vermes e muitos cuidados. Pagando ainda a anuidade do clube, registros e as viagens da cadela para as exposições, não resta lucro com a venda dos filhotes. Menos ainda, se queremos vender os filhotes na idade certa, com pelo menos dez a doze semanas de vida. Falar em vender: Sabemos, quem vai comprar os filhotes? Eles terão todo o cuidado no novo lar? O que vamos fazer com filhotes que não acham um comprador?

Nossa família nunca quis criar cães enquanto existem animais na rua doentes, maltratados e famintos. Mesmo assim quase sempre temos filhotes em casa. De vez em quando uma cadela da rua dá a luz a lindos filhotes. Oferecemos os cães mais tarde, de graça para pessoas que os cuidam bem. Mas a maioria dos cães não acha um responsável por não ter uma raça definida. Muitos responsáveis preferem cães uniformizados, ou seja, de uma raça.

A cadela precisa de um lugar calmo e escondido para ganhar os filhotes. Ideal é um lugar redondo, onde os filhotes não podem deitar nos cantos e a cadela não pode esmagá-los. Uma caixa de madeira serve também, até uma de papelão. Colocamos na caixa papel de jornal. Na hora certa, a cadela vai transformar o papel em pedacinhos. Agora sabemos, nas próximas horas nascerão os filhotinhos.

Cãozinhos nascem com pêlo, mas com olhos fechados e as orelhas "coladas", significa, não podem escutar nem enxergar ainda. A cadela fica geralmente um dia e uma noite junto com os filhinhos, talvez ela saia e volte em seguida e defenda a cria com unhas e dentes. Nas primeiras duas semanas os filhotes praticamente só dormem.

Com 10 a 14 dias de idade, eles abrem os olhos e ouvidos e comecem se movimentar. Eles usam as perninhas, mas a barriga se arrasta no chão. Nesta idade podem começar a comer. Perguntamos o nosso veterinário, qual a dieta ideal para eles.

Com quatro semanas de vida eles caminham com mais firmeza, brigam, mastigam carne e conhecem as pessoas que os tratam. Eles começam a se retirar do ninho para fazer seus "negócios".

Com seis semanas de vida eles são cãozinhos gordinhos e irresistíveis. A mamãe não gosta mais de deixar a turma mamar muito, mas com nossa paciência e carinho, ela agüenta mais um pouco. Agora os filhotes não mamam mais deitados, eles se levantam e ficam embaixo da cadela, que por sua vez fica em pé. Eles comem de tudo, brincam com bolas e trapos, rosnam, brigam e querem explorar o mundo.

Com oito semanas de idade eles realmente correm, as orelhas subindo e descendo. Os dentes são afiados e por isso nós aqui chamamos estes filhotes de "piranhas". Agora eles reconhecem cada um o seu nome e a mamãe foge deles. Eles ainda descansam todos juntinhos para se confortar e se consolar. Esta fase traz uma certa incerteza para os cãozinhos, pois a mamãe deixa o ninho para descansar longe dos incômodos da filharada. Ainda não chegou a hora de se desfazer dos filhotinhos, mesmo se eles bagunçam toda a casa, sujam tudo e o latidinho alto deles incomoda.

Com dez semanas de vida a turma está bastante autoconfiante. Podemos ver muito bem quem manda no bando e quem sempre vem por último. Se achamos pessoas que realmente os tratem bem e os queiram, podemos entregá-los. Aos que ficam, ensinamos os primeiros comandos "não", "aqui" e "senta".

Com três meses da vida, eles apresentam a maioria dos padrões da raça, significa que podemos imaginar como ele parecerá quando adulto. O pastor alemão com três meses ainda tem as orelhas caídas e o Afghan não mostra ainda a beleza de seu pêlo, mas podemos imaginar algo. O filhotinho pode começar a andar junto.

Existem muitas pessoas que cortam os rabinhos dos recém-nascidos e cortam as orelhas dos filhotes. Isso é chamado de "Cirurgia estética" mas pode ser chamado também de crueldade desnecessária. Ou existem razões para cortar a cauda do Rottweiler e as orelhas não, mas do Dogue Alemão cortar as orelhas, mas a cauda não? Um Poodle pode ser muito lindo com uma cauda longa, e o olhar inocente de um Dogue Alemão com orelhas grandes é inesquecível. A cauda é a continuação da espinha dorsal, da coluna! O cão usa o rabinho para se comunicar.
Existe amizade fundamentada em agressão, medo, dores e estresse? Quem tem uma cicatriz sabe que ela pode doer e causar desconforto no período que antecede as mudanças de tempo (exemplo: quando está para chover). Ainda pode acontecer que a "operação" não tenha o resultado esperado, que o corte saia errado ou que a ferida infeccione. Sejamos corajosos, comecemos a nova moda de amar os nossos bichinhos integralmente, sem cortes. Exijamos do criador um animal com cauda e orelhas.